Seguidores

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Décimo Quinto Desafio Das Blogueiras Unidas : Gente que fez a Diferença / Gente que faz a Diferença

O décimo quinto desafio foi mesmo um grande desafio, isso porque envolve mais pesquisa do que os outros e pensarmos bem em quem fez a diferença no passado e quem faz a diferença - HOJE!...É uma coisa que envolve lembrarmos também de alguém assim!
Eu me lembrei de uma mulher que foi ousada o bastante e com a mentalidade muito à frente de seu tempo...
Essa foi Chiquinha Gonzaga:
Chiquinha Gonzaga aos 18 anos, já Sra. Francisca Edwiges Gonzaga do Amaral

Texto biográfico - Chiquinha Gonzaga  – (Francisca Edwiges Neves Gonzaga).

Compositora, instrumentista, regente. Rio de Janeiro, RJ, 17/10/1847–idem, 28/02/1935. Maior personalidade feminina da história da música popular brasileira e uma das expressões maiores da luta pelas liberdades no país, promotora da nacionalização musical, primeira maestrina, autora da primeira canção carnavalesca, primeira pianista de choro, introdutora da música popular nos salões elegantes, fundadora da primeira sociedade protetora dos direitos autorais, Chiquinha Gonzaga nasceu no Rio de Janeiro, filha do militar José Basileu Neves Gonzaga e de Rosa Maria de Lima.
Estudou piano com professor particular e aos 11 anos compôs sua primeira música, uma cantiga de Natal: Canção dos Pastores. Casou-se aos 16 anos, com um oficial da Marinha Mercante escolhido por seus pais. Poucos anos depois abandonou o marido por um engenheiro de estradas de ferro, de quem também logo se separou. Passou a sobreviver como professora de piano. A convite do famoso flautista Joaquim Antônio da Silva Callado (1848-1880), passou a integrar o Choro Carioca como pianista, tocar em festas e freqüentar o ambiente artístico da época. A estréia como compositora se deu em 1877, com a polca Atraente, composta de improviso durante roda de choro em casa do compositor Henrique Alves de Mesquita e publicada pela Viúva Canongia, Grande Estabelecimento de Pianos e Músicas.
Aos 29 anos quando apresentou ao Rio de Janeiro seu primeiro sucesso em 1877

Por desafiar os padrões familiares da época, sofreu fortes preconceitos. Aperfeiçoou-se com o pianista português Artur Napoleão (1843-1925). Sua vontade de musicar para teatro levou-a a escrever partitura para um libreto de Artur Azevedo, Viagem ao Parnaso. A peça foi recusada pelos empresários. Outras tentativas fracassaram, até que conseguiu, em 1885, musicar a opereta de costumes A Corte na Roça, encenada no Teatro Príncipe Imperial. Em 1889 promoveu e regeu, no Teatro São Pedro de Alcântara, um concerto de violões, instrumento estigmatizado àquela época. Foi uma ativa participante do movimento pela abolição da escravatura, vendendo suas partituras de porta em porta a fim de angariar fundos para a Confederação Libertadora.
Com o dinheiro arrecadado na venda de suas músicas comprou a alforria de José Flauta, um escravo músico. Chiquinha Gonzaga também participou da campanha republicana e de todas as grandes causas sociais do seu tempo. Já era uma artista consagrada quando compôs, em 1899, a primeira marcha-rancho, Ó Abre Alas, verdadeiro hino do carnaval brasileiro. Na primeira década deste século esteve algumas vezes na Europa, fixando residência em Lisboa por três anos.
Aos 47 anos, usando o broche contendo os primeiros compassos de sua valsa Valquíria, presenteado por colegas e a medalha recebida pela oficialidade do navio Francês Duquesne em 1894

De volta ao Brasil deu uma contribuição decisiva ao teatro popular ao musicar, em 1912, a burleta de costumes cariocas Forrobodó, seu maior sucesso teatral. Em 1914 seu tango Corta-Jaca foi executado pela primeira-dama do país, Nair de Teffé, em recepção oficial no Palácio do Catete, causando escândalo político. Em setembro de 1917, após anos de campanha, liderou a fundação da SBAT, sociedade pioneira na arrecadação e proteção dos direitos autorais. Aos 85 anos de idade escreveu a última partitura, Maria, com libreto de Viriato Corrêa.
Sua obra reúne dezenas de partituras para peças teatrais e centenas de músicas nos mais variados gêneros: polca, tango brasileiro, valsa, habanera, schottisch, mazurca, modinha etc. Chiquinha Gonzaga faleceu aos 87 anos de idade, no dia 28 de fevereiro de 1935, no Rio de Janeiro.

Fonte de Matéria:

PARA MIM CHIQUINHA GONZAGA FOI UMA PESSOA QUE FEZ A DIFERENÇA!
PARA NÓS MULHERES, SEMPRE POSTAS EM SEGUNDO PLANO, NA MAIORIA DAS VEZES
HUMILHADAS POR SERMOS DO SEXO FEMININO, CONSIDERADAS FRACAS.
TER A FORÇA E A CORAGEM QUE ESSA MULHER TEVE LÁ NA SUA ÉPOCA, NÃO É PRA QUALQUER UM NÃO!


E agora vem a parte mais difícil desse desafio para mim, falar de GENTE QUE FAZ A DIFERENÇA HOJE!
Confesso que pensei muito, pesquisei na internet, tentei me lembrar de alguém e todas as minhas voltas iam para uma SÓ DIREÇÃO!

GENTE QUE FAZ A DIFERENÇA HOJE! PARA MIM...
Imagens da Internet

Somos todos nós ANÔNIMOS, que pode sim fazer a DIFERENÇA, o povo brasileiro no geral é um povo hospitaleiro, alegre, prestimoso, batalhador, generoso!
Estamos Construindo um país melhor para nós, nossos filhos, netos, bisnetos...
Todos os dias aprendemos uma nova lição, compartilhar é uma delas, pensar no bem estar de todos...
Faz-nos querer crescer mais como pessoas e cidadãos!
Criando em nossos filhos o espírito de preservação, de respeito pela vida, pelo planeta, pois todos nós aqui somos meros inquilinos!
FAZER A DIFERENÇA É JUSTAMENTE SER DIFERENTE DE TUDO E DE TODOS!
SE EXISTE UM QUE DESTRÓI, QUE DIZER DE UM EXÉRCITO QUE CONSTRÓI?
SE EXISTE ALGUÉM NEGATIVO, QUE DIZER DE UM EXÉRCITO DE PESSOAS PENSANDO POSITIVAMENTE?
AO PENSAR EM PESSOAS QUE FAZEM A DIFERENÇA, ME LEMBREI DE CERTOS TRECHOS DO HINO NACIONAL:
" DE UM POVO HEROICO...
GIGANTE PELA PRÓPRIA NATUREZA...
NOSSOS BOSQUES TEM MAIS VIDA...
VERÁS QUE UM FILHO TEU NO FOGE  À LUTA..."
POR ISSO NÃO DESISTIMOS NUNCA, PORQUE SOMOS BRASILEIROS!
E ESTAMOS FAZENDO A DIFERENÇA!


Espero que gostem!
Quebrei a cabeça pra fazer este post, rsrsrs...
Beijos da Cris


17 comentários:

Blogueira Unidas - Oficial disse...

Oi querida!
Tua postagem está perfeita, parabéns!

Chiquinha Gonzaga foi um diferencial, uma mulher além de seu tempo. Sou admiradora não só de sua história como de suas composições.
Realmente muitos de nós fazemos a diferença hoje, você está certa!

Obrigada por participar de nosso desafio.
Beijocas!

Jô Santos disse...

Parabéns pelo post, ficou lindo
http://maosdemocas.blogspot.com

Cristina Almeida disse...

Obrigada BU e Jô, fico feliz que tenham gostado, fiz com muito carinho.
Bjs e ótimo fim de semana pra todas!

DÉA BRASIL CABELOS disse...

queridinha...vale nessa vida ser feliz, nascemos com o dom...e não podemos nos perder no caminho...
VOCE FAZ A DIFERENÇA!!!
AMEI o post
bjim, Dé@

http://deabrasilcabelos.blogspot.com/

* Nanda * disse...

oi querida
amei a nova postagem
do desafio.
lindo final de semana bjs

brasileirasimsenhor disse...

Parabéns querida. Perfeita as escolhas !! E vivas a nós !! Super bjs , Elo

quelsfs disse...

Boa noite amada.
Adorei sua postagem, tudo muito bem colocado.
Beijinh♥!

Cristina Almeida disse...

Obrigada Déa, Nanda e Elo, quanto isso me faz feliz!
Desejo a todas muitas felicidades e vamos continuando fazendo a DIFERENÇA!
Bjs e ótimo fim de semana

Cristina Almeida disse...

Obrigada Quel eu tbm adorei a sua postagem, já fui lá participar!
Bjs e ótimo fim de semana

Nane disse...

Muito boa sua postagens. Parabéns! Nos traz muitas informações, adorei! bjus

Márcia disse...

Cris, gostei muito deste post! Sabe, vejo que os jovens nao reconhecem mais o que tem valor hoje em dia. Desconhecem o valor daqueles que lutaram - e lutam - por um país melhor, seja nas artes, na medicina, nas ciências. Ele acha que o negro nunca foi escravo, que a mulher sempre votou, que bombeiro ganha rios de dinheiro, que é fácil criar uma obra prima... tudo parece descartável, fácil... ele desconhece o verdadeiro valor de cada sacrifício...
Beijos meu anjo!
Façamos a diferença sim!

Cristina Almeida disse...

Obrigada Nane e minha querida amiga Márcia, por terem gostado do post, fico feliz se o que eu estou tentando passar trás algum enriquecimento pra vida de cada um que for ler o que escrevi e quis transmitir neste post.
Eu espero que matérias desse tipo possam ajudar a abrir as mentes das pessoas, tantos dos jovens quantos dos adultos na busca de um futuro melhor fazendo sempre a DIFERENÇA!
Bjs

Ju disse...

Muito legal lembrar da Chiquinha Gonzaga! Ela foi muito corajosa e estimulou outras mulheres a se tornarem donas do próprio destino.
Bj
Ju

vidaslife disse...

Parabéns pela escolha, realmente todos nós fazemos a diferença se juntos lutarmos por um mundo melhor.
Estou te seguindo querida. Seu post é 10.
http:vidaslife-vidaslife.blogspot.com

Cristina Almeida disse...

Obrigada Ju e Vidaslife, fico feliz que tenham me visitado e gostado do post.Breve retribuirei as visitas.
Bjs

Ju disse...

Oi Cris,
Obrigada pela visita e comentário. Também estou acompanhando o seu blog!
Pois é, fiquei na dúvida se postava ou não imagens tão chocantes, mas decidi postar porque essa é a realidade e não dá para fazer de conta que ela não existe, né?
Felizmente há muita gente ajudando a fazer desse um mundo melhor. Milhões de pessoas anônimas fazem o que podem E você lembrou bem daqueles anônimos que fazem a diferença.
Bjs
Ju

Cristina Almeida disse...

É Ju, eu entendo!A realidade é essa infelizmente e não podemos tapar o sol com a peneira.
Bjs